sexta-feira, 28 de dezembro de 2012

O CIGARRO


O CIGARRO– de Carlos Leite Ribeiro


Maldito cigarro! Odeio-te!

Este descarado até parece que está a gozar comigo... Descarado!...
Tu bem sabes que és imundo; és porco, és malcheiroso - és nauseabundo!
Olha lá, cigarro: por acaso sabes a quantos milhões de pessoas já fizeste mal? E continuas a fazer?
Pois tu és um maldito!
E continuas impávido e sereno a prejudicar as pessoas. És cruel, impiedoso e asqueroso...
Eu, podia destruir-te neste momento - mas não o faço, pois, quero ver-te arder, destruindo-te como tu fazes aos teus apreciadores e a quem tem o desprivilegio de ter que de conviver com eles!
Há, lembrei-me agora de uma frase que já ouvi a alguns anos:
" Se Deus tivesse dimensionado o Homem para ser fumador, teria colocado uma chaminé na cabeça!"
Tu, cigarro, és um vaidoso, um pedante com a mania que és o melhor.
Passas a vida nos lábios de qualquer um, mas sempre, sempre a fazeres mal!
Tens uma vida sem glória, pois, ao fim de seres consumido, não és mais do que um monte de cinzas, e ninguém mais se lembrará mais de ti.
A tua vida é efémera, mas durante o teu curto reinado, podes provocar milhares de cancros (câncer).

Tu, cigarro, és um destruidor, um sádico, um paranoico: sinto-me nauseado com o teu sabor e com o teu cheiro:

Por isso vou dar-te o fim mais digno de ti:

"VOU ESMAGAR-TE DEBAIXO DOS MEUS PÉS !!!"

Carlos Leite Ribeiro - Marinha Grande  - Portugal 


Nenhum comentário:

Postar um comentário