quarta-feira, 2 de janeiro de 2013

“AMOR, SONHO & EROTISMO”- (Coscuvilhices)


AMOR, SONHO  &  EROTISMO” (Coscuvilhices) 
de Carlos Leite Ribeiro


“Minha querida amiga!

Ainda bem que te encontro, pois, tenho andado abafada e desejosa de desabafar com alguém, de confiança!

Ai, mas deixa-me abanar-me, abana-me com este meu abano, pois estou cheia de calor...
Vê lá tu, minha querida que dantes o “monumento”, que lá tenho em casa (o meu marido), cada vez repara menos em mim.

Dantes, ainda era assim, como de género de coelho: rápido, não eficiente e, a cair logo para o lado. Mas agora, nem isso!

Desde há meses que sai todas as noites, alegando que vai fazer “umas novenas”; mas devem ser “novenas” muito contínuas, para a paz no mundo (segundo ele diz).

Se todos fizerem como ele, o que podem originar essas “novenas” é uma guerra sem quartel entre as mulheres, que pretendem a paz, e outras coisas mais – compreendes, não compreendes, minha querida amiga?
Chega a casa de madrugada.

Chego-me para ele, logo me diz que estou fria. Acendo a luz, diz que precisa de descansar e dormir, com a luz apagada. Tento dar-lhe beijos, diz que eu não lavei os dentes; mexo-lhe nos mamilos, diz que tem cócegas; toque-lhe abaixo do umbigo, diz que fico com as mãos sujas; se lhe digo que tenho “um buraquinho”, diz para o tapar com a roupa pois está sentindo frio.

Nem sei o que lhe hei-de fazer, para ele compreender que sou saudável e carente.

Ai que vida esta, a minha...
Ai, deixa-me abanar, que calores, que falta de ar...
Já tentei ir ao cabeleireiro, fazer uma linda permanente, toda aos caracolinhos. Quando na cama me cheguei mais a ele, logo me disse :

- Ó mulher, chega-te para lá que cheiras a óleo e a laca para o cabelo.

Outro dia, fiz uma depilação total (estava linda!), mas, quando lhe mostrei meu corpo, logo ele me disse, escondendo a cabeça entre os lençóis:

- Tapa-te e sai rapidamente daqui, pois, ainda posso vir a ser considerado pedófilo!

 Isto que me está a acontecer, nem dá para acreditar “!

Que calor... Que falta de ar...
Só sabe dizer que, para se considerar realizado, só lhe falta escrever um livro, pois, já plantou uma árvore e já foi pai  (ele diz isto cá com uma certeza…mas eu tenho certas dúvidas...).
Sabes minha querida amiga: - Já tentei arranjar “algo” que fosse bom para a minha estabilidade psicológica. Conheci um moço que era de “tirar a ceia” a qualquer mulher, que andava ultimamente muito triste. Logo pensei que teria problemas com a mulher... 

Aproximei-me dele e, secretamente, combinámos irmos a uma prainha deserta para “falarmos” das nossas vidas. Fomos, numa noite linda com um lindo luar. Falei-lhe da minha vida conjugal (com todos os pormenores); e não é que, quando lhe pedi para ele falar da vida dele, começou a chorar e a soluçar em altos berros, clamando:

- “Sou um desgraçado, pois, o meu “namorado Quim”, casou com uma mulher!

Imagina, querida amiga, eu a pensar que tinha arranjado uma “coisa boa” , para acalmar estes calores, (mais reais do que psicológicos), fui-me meter com a “concorrência!
Ai, deixa-me abanar pois cada vez tenho mais calor...
Mas eu ando cá desconfiada com uma coisa: A Micas, aconselhou-me a comprar uma bateria quadrada e, durante a noite enquanto ele dormia, a esfregar a tal bateria pelas costas e partes mais sensíveis, que, segundo ela, dar-lhe-ia muita força e vitalidade, capaz de levantar o “termómetro” até rebentar...

Claro que naquela noite, tentei fazer esta experiência.

Sabes o que aconteceu?

Depois de ter esfregado a tal bateria pelo peito, ele virou-se de costas, perguntando se a bateria era redonda. Disse-lhe que era quadrada. Logo respondeu:

- Então não serve!
Minha querida amiga, deixa-me abanar, abanar, pois estes calores dão cabo de mim...


Carlos Leite Ribeiro - Marinha Grande
  Portugal 



Nenhum comentário:

Postar um comentário